cildo meireles – entrevendo

sesc pompeia, 2019

Image
Image
Image
Image

com curadoria de julia rebouças e diego matos, ‘entrever’ trouxe aos espaços do sesc pompeia um significativo recorte da produção de cildo meireles. com um forte sentido conceitual, as obras do artista instigam reflexões, quando não demandam do observador uma ação direta — exigindo que a contemplação passiva seja abandonada. 
na obra que dá título à exposição, o visitante, com dois gelos na boca, um salgado outro doce, é convidado a entrar em um túnel de madeira, no qual ao final há um enorme ventilador a soprar ar quente. assim, nas palavras dos curadores, ‘o corpo se move do claro ao escuro, do frio ao calor. a boca experimenta o salgado e o doce, do sólido ao líquido. nessa série de oposições, a visão cede lugar a uma realidade cega, mas que é gustativa, térmica, oral’.

Image
Image

a marca e a identidade visual da exposição se aproximam dessa experiência. por meio de uma imagem gráfica, construímos a estranha percepção de um ponto de fuga fugidio.

em seu catálogo, com tiragem de 50 mil exemplares e distribuído gratuitamente aos visitantes, as obras eram comentadas, uma a uma pelos curadores. junto a isso, um glossário, que reúne temas chave para a compreensão de sua obra são dados nas páginas que se vê em amarelo.

(expografia de álvaro razuk e fotos da exposição de everton ballardin)